quarta-feira, 18 de julho de 2018

SENTIMENTO DE PERTENCIMENTO


Tenho observado como o sentimento de pertencimento está presente na vida, nas relações, nas exclusões e até nas tristezas que vejo por aí....

Se sentir parte de um processo não é só entender a sua função, é entender qual o papel da sua função dentro do processo todo. Entender que cada detalhe, por mínimo que pareça, se soma para a realização de um "algo" maior.

E não ligamos muito, as vezes até ignoramos, pra importância de se sentir pertencente para o significado do que fazemos.

Como numa família em que as tarefas estão sendo desenvolvidas para um bem comum e que só dá certo quando as pessoas, reconhecem o pertencimento, e entendem que o coletivo estar bem é bem melhor do que a vantagem pessoal instantânea e em detrimento de outro.

Pensar que a outra pessoa pode fazer e que você não precisa se preocupar pode ser uma alternativa, para o "não quero fazer" mas frequentemente causa um "você não tem tempo pra mim", quando ao contrário quando as tarefas são divididas muitas vezes são bem mais rapidamente executadas e geram um sentimento agradável de pertencimento.

No trabalho, quantas vezes não entendemos a finalidade de um procedimento, por não conseguir visualizar o todo??? Entender que o aparelho é uma infinidade de variáveis que funcionam como engrenagens  que quanto melhor encaixadas estiverem, melhor o funcionamento do aparelho.

Em linguagem de gestão de projetos, falamos que a meta dificilmente será alcançada se todas as partes da equipe e todas as etapas do projeto não estiverem alinhadas com o escopo a ser alcançado.

E muito se engana quem acha que esse pertencimento é aplicado apenas no âmbito profissional. Se para tudo que você fizer a missão estiver bem estabelecida, mais facilmente será para definir os processos e projetos necessários. Quanto maior o sentimento de pertencimento, maior a dedicação aos processos ou projetos....

terça-feira, 26 de junho de 2018

PROCESSO DE CURA

Ao longo da vida, mesmo que involuntariamente, acabei acumulando mágoas muito resistentes... Me travavam a ponto de sentir como se uma âncora me segurasse num passado, mais precisamente, num momento de dor.

E o interessante é que as vezes o "olhar pra si mesmo" em voz alta, espoe essas dores de uma forma tão palpável que é possível  acariciar aquela dor e dissolvê-la... (sim, é uma figura bem surreal, mas é possível).

E foi assim que eu curei tantas mágoas que vinha guardando da minha mãe, memórias de infância, com a maturidade de uma criança mimada, muitas dessas dores se pautava na simples e completa falta de noção de que uma mãe é antes de tudo um ser humano, que é falível, que é carente, que é sobretudo uma pessoa que tenta nunca errar.

E foi tão maravilhosa a visão de que a minha mãe é uma MULHER!!! Linda, sexy, inteligente, meiga, forte e sozinha.

E entender esse SOZINHA também foi um processo muito complicado... Porque tive que reconhecer em mim mesma a solidão que pode ser o "ser mulher"... somos muito cheias de sensações inexplicáveis, cheias de medos indizíveis e a gente vive isso sozinha!

Por melhores que sejam nossos companheiros, famílias e amigos... a mulher é sozinha e única.
Enfrentar e superar todos os traumas, as carências, os excessos, inseguranças, ainda que com auxilio de uma terapia, é feito pela pessoa e é feito de dentro pra fora.
E é única a forma como cada um ou cada uma sente... eu nunca serei capaz de saber se a forma como eu sinto uma dor é igual à forma que outra pessoa a sente... e não é!!!! Certeza que não é! O que me machuca pode sequer tocar outra, e o que a machuca eu posso nem tomar conhecimento.

Então, hoje, tendo curado um ponto do meu "FEMININO"... e tendo aceitado e curado dores antigas e desnecessárias, eu só posso agradecer: OBRIGADA, MÃE... por ser minha mãe, minha musa, minha pequena e minha gigante!

NAMASTÊ!

sábado, 9 de junho de 2018

Os dias passam com um emaranhado de informações, as vezes tão densas que é até difícil absorver.

Repensar os papeis, rever os conceitos... tarefas bonitas de dizer, mas tomam um tempo danado.

terça-feira, 8 de maio de 2018

O poder do "NÃO SEI FAZER"

Já parou pra pensar quantas coisas a gente assume porque os outros não sabem fazer??? Ou porque não fazem direito????

Eu parei para pensar esses dias no quanto essa história de só eu sei fazer é escravizadora. Você acaba assumindo responsabilidades que não deveriam ser suas simplesmente por conta de uma meia verdade.

Ora, ninguém nasce sabendo, então se você sabe qualquer um pode aprender.

Acho que no início, ou que a ideia (deturpada) do só você sabe fazer ou do você faz como ninguém pode até ter vindo no intuito de valorizar a atividade exercida por outra pessoa.... mas acabou por ser um recurso muito potente de transferir a responsabilidade de certas atividades à quem sabia fazer.

Isso sendo repetido por várias vezes, vários anos, e por gerações inteiras acabou por fazer com que as pessoas assumissem que algumas atividades fossem inerentes ao sexo... "a mulher é mais atenciosa, então essa atividade é melhor pra ela" ou "o homem é mais forte, então esta atividade é melhor pra ele".... só que são centenas de exemplos que comprovam que a coisa não é bem assim....

Eu não seria nunca tão detalhista do que um olhar treinado de um estilista para reparar em tendencias, em cortes ou em arremates.... E não acho que boa parte dos homens que eu conheço gostariam de entrar numa briga com a Honda....

Mas, tem aquele "você faz tão bem" que as vezes nada mais é do que uma transferência de responsabilidades... a questão é: porquê você não aprende a fazer bem também? 

Só sei que muitas vezes o não sei fazer exime a pessoa da culpa, da responsabilidade, e culmina numa delegação de competência que ao delegado só traz mais trabalho e frequentemente mais dor de cabeça também.

RECONSTRUÇÃO

Como é difícil perceber que algo está consolidado de uma maneira obsoleta e ter que reconstruir o projeto!!!!

A vida inteira você se moldou e até se torturou com idéias que não condizem nem um pouco com a sua natureza....

Mas, olhar pra si.... reconhecer o que é, o que pode ser e o que não deve ser ou que não precisa mais ser é uma tarefa muito muito complicada.

Tentemos!

terça-feira, 1 de maio de 2018

Dia Internacional do Jazz - Manaus


Agradável coincidência é você receber o convite para um evento oficial do seu "ofício", viajar para reunião e chegar na cidade exatamente no dia desse evento maravilhoso!!!!

E o que dizer? Que foi uma grata surpresa seria pouco, mas realmente foi uma grata surpresa, ver a casa lotada foi ainda mais sensacional, e ter o prazer de conversar com uma cidadã que explicou cada detalhe sobre o cenário cultural de Manaus foi sensacional.

Mas, essa viagem, somada às outras viagens que tenho acumulado na bagagem me mostra algo realmente triste: o afastamento da população da história e da cultura regional. Aparentemente os pontos turísticos passaram a ser para os turistas (os forasteiros), porque os nativos frequentemente deixam de frequentar....

Em alguns locais a visitação para a população é de graça, mas ainda assim não vão...

Manaus é linda, cheia de história, com várias manifestações artísticas e culturais, mas existe um descaso tremendo.... poder-se-ia dizer que é culpa do "governo", mas, acredito que é um pouco pior... é um descaso da própria comunidade, ou por ignorância ou falta de informação, ou falta de divulgação...

Sim!! Aqui é quente, mas na época da chuva é bem agradável embora a temperatura seja em torno de 25 graus, há muito vento... a brisa é fresca e deliciosa... tem muito verde... existem vários poréns estruturais... ou de manutenção... mas, é preciso que as pessoas conheçam Manaus... é preciso que o Brasileiro se interesse pelo Brasil!!! Porque as pessoas que estão lotando os passeios, os museus e os hotéis são estrangeiros.... e nós, brasileiros, estamos lotando outros museus de outras culturas que pouco interferem na nossa....

Não é que a cultura internacional não seja importante nem seja fantástica: é sim!!! E eu também sou fascinada por ela, mas vamos incentivar mais a nossa cultura, divulgar mais nosso país??? É legal também.... e uma boa opção é MANAUS.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

RAIZES E AMARRAS

Hoje foi um dia particularmente "epifânico", por vários momentos me deparei com revelações "surpreendentes" (mas nem tanto) das minhas percepções de vida.

Pensando no que minha amiga Nicole Zaneti publicou sobre as respostas as vezes estarem nas raízes e não nos galhos... Na verdade, essa reflexão resultou até em epifanias coletivas....

E curiosamente, duas das minhas amadas amigas tiveram confissões de estarem passando pelo mesmo processo, em que você consegue ir procurar tão fundo na alma que chega a curar feridas e descobrir coisas que não tem o menor porquê te ainda pertencer a você...

Caso 01 -  Empoderamento feminino, almoço em casa, com meu pai e minha amiga... e uma discussão fluida e interessante sobre o feminino, suas vertentes, peculiaridades.... o feminismo e o femismo e a tendencia de inversão de dominação... quase não consigo voltar ao trabalho pois o dialogo estava fluindo tão construtivamente e tão terapeuticamente....

Deste ponto, descobrimos que os arquétipos estão aí e nós tendemos a repetir tudo...
O empoderamento está exatamente no poder fazer diferente, no não se anular, se subtrair ou se mutilar para encaixar em algo que serve apenas de referência....

Declaramos concordância na visão de que a luta pelos direitos deve ser legitimada sim, mas a inversão do status opressão x opressor não deve ser uma saída... e muitas vezes se torna uma cilada teórica ou um antagonismo ideológico.

Foi um tanto libertadora essa conversa....

Na chegada ao trabalho, eu vejo uma publicação da Nicole e foi absurdamente elucidador.... mas o melhor ainda estava por vir.

Caso 02 -  No final do dia, nos encontramos para visitar uma terceira amiga... e novamente as confissões surpreenderam, mas foi tão maravilhoso! Ela dizia o quanto olhar suas raízes fez com que as amarras que prendiam fossem soltadas....

Muitas vezes quando identificamos a origem do problema a gente consegue ter a lucidez necessária para intervir, transmutar, curar e devolver o sentimento... e essa transmutação é toda a magia... não é simplesmente largar a amarra... cortar.... é transformar num laço de respeito, compreensão e empatia. É a síntese do AMOR em seu estado puro e natural e é lindo!!!!

Caso 03 - Voltando pra casa já maravilhada por tantas conversas e revelações um pensamento me vêm a mente. Qual o papel que essas "amarras" tem enquanto raízes?? Elas tiveram uma função social que já não é pertinente ou simplesmente foram frutos de uma ignorância?
Bem, eu sou dessas que acredito na função social da crendice.... e vou deixar a reflexão aberta aqui.... mas, quem sabe num outro post eu desenvolva esse tópico com mais afinco?!

O resumo de hoje foi: auto-conhecimento, empoderamento, paz, libertação, amarras e raízes.

GRATIDÃO PELO APRENDIZADO!!!!!

SER MULHER

Quanta coisa muda em 02 anos!!!!

Quanta coisa guardada nem tem mais sentido.... como guardar uma roupa bonita quando se está em fase de crescimento, quando resolve vestir... não cabe mais.

Nesse tempo mil coisas aconteceram... e eu nem conseguiria dizer tudo num post só... então vamos por partes.

SER MULHER 

Recentemente eu tive uma pequena crise existencial que me fez rever os conceitos sobre ser mulher.
Sobre como quero ser, o que devo ser e como ser.

Parece meio bobo, mas toda vez que paro pra pensar no assunto tenho um mini faniquito.... isso porque eu não me identifico nadinha com as "coisas de mulher" que são impostas socialmente, e tenho um conceito muito diferente do que seriam as minhas competências.

Quando penso que tenho que arrumar casa, lavar roupas, fazer comidas, cuidar de filhos, ser jardineira, secretaria oficial do marido... eu me canso só de pensar e me dá uma vontade tremenda de sair dando uma de louca por aí.

Mas o pior mesmo é que essas obrigações chatas e sacais não somente são impostas pela "sociedade" como também são impostas a mim por mim mesma. Estranho né???

O papo de "meu marido" me ajuda em casa há muito tempo já foi pseudo redefinido na minha cabeça, porém na prática a história é outra. Vivo dizendo que meu marido não "ajuda em casa" ele assume responsabilidades comigo... porém, no fundo quando algo não está como deveria eu sinto como se fosse minha a responsabilidade total da bagunça.

E aí vem as aspirações sociais, minha amiga eu num sei se você tem mais de 30, mas se tem vai me entender: as pessoas não perguntam se você está bem, se o casamento tá feliz, te perguntam quando vem o bebê? 

Sequer me perguntam se quero um.... e vou até deixar a deixa prum post "Será que quero um bebê",  sim porque se você pensa demais no assunto fudeu... ou vai ficar na neura de tenho que ter  ou vai desistir de vez do assunto (mas vou deixar esse tema pra outra vez).

O tempo inteiro você tem que estar disposta, linda, no salto, maquiada, cabelo arrumado, tem que dar conta da casa, do trabalho e tem que estudar infinitamente mais do que um coleguinha do sexo masculino simplesmente por não ter nascido com um falo.

Você é o tempo todo bombardeada com imagens femininas de mulheres empoderada, que na verdade são robôs multi-tarefas; cansaço não existe e num pode existir, desanimo jamais!!!! Principalmente se "deu a sorte de casar"... aff.... sorte a del' de me ter como parceira.

"Nossa Diná você tem que ser mais feminina!!!" Galera, feminina eu até sou, só num sou fresca!

E não... não considero panelas, fronhas, travesseiros, toalhas e enxovais diversificados como "PRESENTE PRA MIM" são presentes pra casa, pra família, mas nunca pra mim!

Eu não acho shopping, mercado ou feira uma opção de lazer... na verdade pra mim é extremamente estressante... passo essa função fácil... DESTESTO "de com força"... mas, quando precisa eu vou.... sozinha ou acompanhada... faço o que tem que ser feito, mas se eu pudesse nunca mais teria que pensar em mercado.

Aí beleza, marido vai ao mercado: compra 1kg de tomate (que já tem em casa) , 2 detergentes (que tem em casa), pão (que dá pra um dia ou pra um mês), carne (que ele prepara maravilhosamente num churrasco no mesmo dia)  e cerveja (que nunca pode faltar na geladeira).
Dias depois "porra num tem nada pra comer na geladeira".... ¬¬ será que ele pensa que as coisas transmutam em outro produto?

Aí ou eu tenho que fazer a lista ou tenho que ir junto.... mas, entenda o que eu não gosto é exatamente isso....

Então... eu penso no que eu gostaria de ser enquanto mulher: ah!!! eu queria ser aquela bruxa velha mantenedora das artes da cura, conhecedora das crendices populares, prestando serviços comunitários imprescindíveis: sábia, maga, acolhedora, referencia....
Eu gostaria de ser uma mulher estudada, respeitada, consultada profissionalmente... estar sempre em desenvolvimento intelectual e experimentar inúmeras interações culturais.... EU AMARIA ISSO.

Mas, confesso: a visão da Diná lavando louças, costurando cuecas, cozinhando, podando plantas, cuidando de moleques remelentos buchudos, arrumando os afazeres do marido... eu juro que acho louvável, mas não é algo que eu realmente aspire.... na verdade, eu até gostaria de uma pessoa que fosse a "governanta" de tudo isso... pra sobrar mais tempo pra eu ser a Diná curiosa, divertida, brincalhona e feiticeira.



quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Rotina

Inseguranças, duvidas, insatisfação....

Vejo tantas pessoas seguindo sem rumo, fazendo uma força descomunal para chegar a lugar nenhum. Cansando, adoecendo, morrendo.... tanto esforço para nada...

Castelos vazios, romances sem amor, famílias sem lar, amigos sem diálogo... SOLIDÃO.

Pessoas passam mais tempo fazendo o que esperam delas do que o que pretendem e querem fazer. Acordam cedo, pegam transito, passam 8 horas todos os dias no trabalho, fazendo o que tem que ser feito, ou apenas esperando o tempo passar, para no fim... Descansar eternamente.

Reflexão


As voltas com os sentimentos,
Presa às armadilhas do ego e das sensações,
tropeço nos mesmos erros e a mesma agonia me asfixia.
Questionamentos sobre a minha existência e sobre a minha própria imaturidade perante a vida, me conduzem num turbilhão de pensamentos distorcidos e resistências desnecessárias.

Uma auto-destruição aniquila meu animo e o desejo avassala minha integridade.

Atitudes corrompidas, impulsos descabidos e insuficientes. Me conduzem a frivolidades que jamais me satisfarão.

Recorro à reflexão, que ainda tardia e com um belo tom de ressaca, é o que me resta....