quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Rotina

Inseguranças, duvidas, insatisfação....

Vejo tantas pessoas seguindo sem rumo, fazendo uma força descomunal para chegar a lugar nenhum. Cansando, adoecendo, morrendo.... tanto esforço para nada...

Castelos vazios, romances sem amor, famílias sem lar, amigos sem diálogo... SOLIDÃO.

Pessoas passam mais tempo fazendo o que esperam delas do que o que pretendem e querem fazer. Acordam cedo, pegam transito, passam 8 horas todos os dias no trabalho, fazendo o que tem que ser feito, ou apenas esperando o tempo passar, para no fim... Descansar eternamente.

Reflexão


As voltas com os sentimentos,
Presa às armadilhas do ego e das sensações,
tropeço nos mesmos erros e a mesma agonia me asfixia.
Questionamentos sobre a minha existência e sobre a minha própria imaturidade perante a vida, me conduzem num turbilhão de pensamentos distorcidos e resistências desnecessárias.

Uma auto-destruição aniquila meu animo e o desejo avassala minha integridade.

Atitudes corrompidas, impulsos descabidos e insuficientes. Me conduzem a frivolidades que jamais me satisfarão.

Recorro à reflexão, que ainda tardia e com um belo tom de ressaca, é o que me resta....



Chuva....

O dia amanhece cinza no horizonte....
A garoa mansa e ininterrupta precipita calma e serena...
A brisa úmida e fria adentra as narinas como se fôra um perfume conhecido e aconchegante.

A sensação de estar sendo abraçada pela brisa,
Acolhida em braços maternos tão sábios e antigos quanto a própria terra.
Como se não apenas estivesse protegida e amparada, mas também compreendida....

domingo, 4 de outubro de 2015

Ser sozinho....

Hoje tive a incrível sensação de ser um ser humano sozinho.
E foi incrível mesmo, uma sensação única e maravilhosa.
Pensar na unidade, no individual...o ser em sim e por si só.
Me dei conta que todos aqueles medos de solidão se esgotaram
simplesmente por ter aceitado que sou sozinha.
Não quero com isso, jamais, insinuar uma tristeza ou melancolia.
Também não deixo de reconhecer a presença de família e amigos. Que valorizo e amo muito.
Mas, a descoberta da unidade solitária que represento foi uma grande libertação.
Ninguém mais é responsável por mim ou pela minha vida....
Ninguém mais é passível de sentir as minhas sensações....
Ninguém mais compartilha a mesma realidade
Ninguém mais tem a mesma vivencia...
Também não tenho uma pessoa para sobrecarregar com meus problemas,
Para cobrar atenção e carinho
Para partilhar a vida
Para acordar de manhã e preparar o café...
Para me aguentar, ou para eu ter que aguentar
Ninguém depende de mim....
Ninguém precisa estar perto de mim.... ninguém mais no mundo...

Na verdade, não é bem uma grande descoberta afinal... é apenas uma incrível sensação...
A realidade sempre esteve aqui e sempre soube da minha condição... Mas, nunca tinha sentido dessa forma....

Sou um ser humano sozinho...
Único responsável por mim
E responsável apenas por mim...
Afinal essa caminhada é minha...somente minha...

Espero que essa sensação perdure, espero que eu sempre me recorde disso...
Não me entendam mal, não pretendo virar um ermitão ou deixar de ser social...
Apenas me refiro a sensação de unidade... que não deixará de ser verdadeira se somada à outra unidade.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Dois corpos

Em uma noite qualquer,
Dois corpos: um homem e uma mulher...
Ardem na ânsia de contato...
Desejam sensações do tato.

Em uma noite tão singular
Um sentimento peculiar.
Vontade, desejo, sentidos a flor da pele...

Imaginam:
Sussurros, movimentos,
Suores e espasmos...
Imagens obscenas..
Sorrisos de contentamento...
E permanecem pasmos...
Com as luxuriosas cenas...
Que com fervor idealizam...

Ardem na esperança... 
Ardem na espera...
Ardem no desejo...
Ardem no tesão que invade....
E a descabida temperança 
Se exaspera...
Na iminência de um beijo 
Que potencialize toda vontade...

Dois corpos:
Que em uma noite qualquer,
Ardem na vontade
De sussurros e movimentos
De sorrisos de contentamento
Em luxuriosa cena
Imagem obscena
Que o pensamento invade...

E a espera por um contato
Instiga todo o sentido do tato
Inunda de desejo...
Dois corpos.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Teu abraço.

Nas horas que atravessam meu pensamento,
Nos momentos em que rasgam meu penar,
Nas palavras que aplacam qualquer sofrimento
Na incessante vontade de amar.

Os dias passam e se acumulam...
E as lembranças quase iguais se anulam.
Os desejos invadem meu sonhar
E os fatos guiam meu caminhar....

E ainda que tudo me fosse concedido...
E ainda que os anseios fossem atendidos...
Meu mundo estaria perdido
Se por um momento me faltasse teus carinhos.

Em um mundo cheio de espinhos,
Teu sorriso se tornou um alento.
Em uma vida cheia de desencontros,
Os gestos tão carregados de afeto me confortam.

Como num abraço reconfortante,
Como num colo cativante,
Sua existência me inunda...
De profunda e doce gratidão.


segunda-feira, 21 de julho de 2014

...sem definição....

Como explicar-me???

Como expressar em palavras o que a alma tanto grita, o que o coração pede e a carne anseia???
Mais do que apenas momentos ou desejos vazios... Mais do que consigo explanar e menos do que posso sentir....

São emaranhados de saudades, são curiosidades imensas, são toques que nunca foram experimentados e outros tão excessivos... São incoerências e incongruências, que intrigam, que fascinam... que provocam uma inquietação modificadora.... Lapidando cada sentimento, cada atitude, num incessante romper de cascas.

Cada momento parece ser re-interpretado de uma forma diferente e várias versões da mesma história são escritas pelo mesmo autor. Não como a visão externa, mas como uma re-leitura de algo que já foi consumado com detalhes que são suprimidos ou acrescidos, um capricho da memória ou uma tentativa de redenção.
Como um corretor de textos, que apenas revisa e corrige os erros...

Talvez, a falta de imaginação ou apenas a auto-observação.


quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

A garota que sonhava


Sonhava com uma história indefectível
Planejava um mundo aprazível
Com uma vida plena
E uma família serena

Fazia planos nos quais se perdia
Sonhava sonhos que não vivia
Mas alimentava um sentimento tão verdadeiro
Tão puro, tão sincero, tão sem meandros....

Vivia tão feliz no seu mundo de amenidades
No seu conforto, na sublime serenidade
De uma mente livre de maldades...

Que quando o furacão chegou
Varrendo tudo, demolindo, destruindo
Se agarrou aos sonhos... criou seu mundo
Mais resistente, mais confortável...mais bonito

E então notou que a reviravolta
Serviu de impulso
Para sair da inércia e construir

E então, aquela história indefectível
Pareceu tão pequena, 
Tão limitada... tão sem graça
E a serenidade a calmaria
Se confundiram com monotonia

Saiu para viver o que não sonhava
Para sentir o que não imaginava
E viveu experiencias incríveis
E pela primeira vez caiu
E pela primeira vez chorou
E finalmente viveu!

Não pelo que a vida tem de ruim,
Mas pelo que os sonhos não criam
Pelo que as experiencias acumulam...
Pelo que a história conta 
e as sensações explicam....

Quando voltou ao seu mundo...
Já não era a mesma... 
Já não sabia dizer o que queria...
Só sabia que existia uma porção de possibilidades



... sentir...


Certa vez me disseram que gostavam de me fazer sorrir apenas por gostar do meu sorriso.

Confesso fiquei encabulada. Mas, aos poucos comecei a refletir tudo aquilo que aquela pessoa representava pra mim e a forma como ela vivia. Fazia elogios aleatórios às pessoas, as vezes caçava fundo para poder achar algo que fosse passível de elogio. E fazia isso bem!!! O resultado é claro, as pessoas adoravam a companhia dele (e continuam adorando), ele se sentia confortável com isso.

Sobre sentimentos, ele me ensinou que o que você sente é responsabilidade exclusivamente sua. Ninguém tem que devolver o carinho, afeto ou amor que você sente. Mas, SINTA! Sentir é uma das grandes vantagens em estar vivo.

As vezes você vai gostar de quem não gosta de você e talvez essa pessoa nem saiba ou nem se importe com o seu sentimento, mas poder sentir é MARAVILHOSO. Talvez essa pessoa sinta algo por você numa intensidade/qualidade diferente daquela que povoa teu coração, mas ela não tem obrigação de retribuir algo que acontece dentro de você.

Não quero dizer que não doa, que a gente não sinta, que num fique triste ou que num gere um pouco de frustração. A questão é por quanto tempo? O que isso vai te impedir de fazer? E o qual será a sua reação? 

Quer chorar? Chore, corra, nade, grite, extravase!!! Se permita sentir, mas sinta e se levante. Porque o mundo não para, a vida segue independente das suas dores, penas, decepções e frustrações. Sentimentos derrotistas só trazem uma coisa: a derrota. 

"Tem tanta coisa lá fora e eu num posso ficar aqui parado!" Bora movimentar!!!


Beijo pra quem é de beijo, abraço pra quem é de abraço... 

domingo, 21 de abril de 2013

Não desanime!

Pequenos prazeres, pequenas emoções, surpresas...
O sorriso de uma criança, o abraço de um amigo, o companheirismo de um cão.

Saber que o universo é infinitamente rigoroso, mas que é também divinamente misericordioso.
Sentir o toque de Deus, sua presença, e aprender a ser grato...

Elevar o espirito às questões eternas, e entender a efemeridade da passagem terrestre.
Compreender que a vida é um aprendizado, querer melhorar e progredir, e afastar de ti aquilo que te prende à valores mesquinhos e medíocres. Desatar os nós e amarras do materialismo e do supérfluo.

Caminhar segundo valores eternos, morais e verdadeiros e receber as bençãos de uma conduta reta.
Sê forte! Meu coração. Sê sábia minha mente! Não caia nas armadilhas do engano, não troque o AMOR e PAZ por uma paixão inútil e efêmera...

Sê forte, meu ser!!! Aprenda, cresça, faça a diferença!